Resumo da semana de 09 à 15 de janeiro

Iniciamos a semana participando de mais uma setorial, dessa vez com Agnaldo Dos Anjos Santos da Refinaria Landulpho Alves Mataripe (RLAM). Realizamos setoriais com as turmas 4 (entrando) e 3 (saindo) do turno, e com o pessoal da Manutenção Industrial sobre os seguintes temas:

1. Campanha Reivindicatória e Rodada de Negociação realizada ontem com a Gestão da Petrobrás, e;3. Processo de Privatização da RLAM e outros ativos do Sistema Petrobrás na Bahia.

Abordados esses temas, fizemos uma boa reflexão e debate sobre a necessidade de fazermos, nesse ano de 2017, a maior e mais forte greve da Categoria Petroleira contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás, antes que seja tarde demais.A categoria está acordando para a luta!

Durante a tarde e início da noite, das 14:30h às 20h, tivemos reunião da Articulação Sindical Petroleira, onde contamos com as presenças dos companheiros Jose Sergio Gabrielli de Azevedo e Emiliano José, fazendo boas análises da conjuntura nacional e debates sobre o movimento sindical, bem como mais uma reunião da Diretoria Executiva do Sindipetro Bahia, onde apreciamos as propostas feitas pelo Conselho Consultivo de Base, eleito em Assembleias da Categoria, e definimos alguns dos próximos passos de nossa Campanha contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás.
 Terça-feira pela manhã, eu e Agnaldinho,  fomos à Refinaria Landulpho Alves Mataripe (RLAM), para realizar uma setorial com a turma 5 (saindo) do turno, onde abordamos os seguintes assuntos:1. Campanha Reivindicatória e Rodada de Negociação realizada ontem com a Gestão da Petrobrás, e;3. Processo de Privatização da RLAM e outros ativos do Sistema Petrobrás na Bahia.
Abordados esses temas, fizemos uma boa reflexão e debate sobre a necessidade de fazermos, nesse ano de 2017, a maior e mais forte greve da Categoria Petroleira contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás, antes que seja tarde demais.A categoria está acordando para a luta!Antes de irmos embora, auxiliamos em uma negociação entre o SINTERCOBA, Sindicato que representa os trabalhadores de empresas de refeição coletiva, e a PCA que não paga os salários dos trabalhadores nem a cesta básica, desde o dia 5 de janeiro.#JuntosSomosMaisFortesPetroleiros e Petroleiras, Luta e Resistência!

 

 

À tarde, fizemos uma reunião da Comissão de Controle de Custos e Gestão Administrativa do Sindipetro Bahia para definir a logística do sindicato na Lavagem do Bonfim, Festa Popular Baiana com Movimentos Sociais que protestam contra a Retirada de Direitos e em favor das #DiretasJá, nesse dia 12 de Janeiro.

 No dia 11 pela manhã, participamos da Mesa de Abertura e de um belo ato com o nosso companheiro e Eterno Presidente LULA no 29° Encontro Estadual do MST.Em nossa fala, abordamos sobre o processo de Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás e seus impactos para o Brasil e pedimos o apoio do forte exercíto do MST formado por essa linda militância camponesa.LULA, como sempre, fez uma brilhante fala, carregada de emoção e experiência e prendeu a atenção de todas as pessoas ali presentes.
“70% de tudo que nós mastigamos vem de vocês, companheiros e companheiras, da agricultura familiar.” (LULA)”Se o Campo e a Cidade se unir, a burguesia não vai resistir”! (MST)

Doze de janeiro –  dia da Lavagem do Bonfim,  juntamente com os companheir@s do Sindipetro Bahia e da CUT Bahia, militantes de diversos movimentos sociais, petroleir@s e populares, participamos da Lavagem, que é um dos eventos mais marcantes do estado.

Carregávamos em nossas mãos bandeiras, faixas de protesto contra o desmonte do Sistema Petrobrás, a ameaça de privatização da estatal e a ação dos golpistas para reduzir os direitos da classe trabalhadora.Os protestos também foram contra as reformas trabalhista e previdenciária, que só causam mais prejuízos aos trabalhadores.Havia ainda uma bandeira de #lutaunificada de toda a #classetrabalhadora: #ForaTemer, #Democracia e #DiretasJá !

No dia 13, participamos de uma boa reunião com o Presidente da CUT Bahia, Cedro Silva, o Coordenador da Articulação Sindical Petroleira e Conselheiro da Petros, Paulo César Chamadoiro, o Assessor dá FUP e CNTV, Nelson Santos, o Diretor do Sindipetro AM, Fernando Lisa, e Diretor do PT de Feira de Santana e Assessor Político, Vagner Carneiro.

Planejar para lutar e resistir em meio a essa conjuntura adversa.

Entrevista concedida a Rede TVT

Lavagem do Bonfim

 

Hoje, juntamente com os companheir@s do Sindipetro Bahia e da CUT Bahia, militantes de diversos movimentos sociais, petroleir@s e populares, participamos da #LAVAGEMDOBOMFIM, que é um dos eventos mais marcantes do estado.

Carregávamos em nossas mãos bandeiras, faixas de protesto contra o desmonte do Sistema Petrobrás, a ameaça de privatização da estatal e a ação dos golpistas para reduzir os direitos da classe trabalhadora.

Os protestos também foram contra as reformas trabalhista e previdenciária, que só causam mais prejuízos aos trabalhadores.

Havia ainda uma bandeira de #lutaunificada de toda a #classetrabalhadora: #ForaTemer, #Democracia e #DiretasJá !

Resumo da semana de 02 a 08 de janeiro de 2017

No dia 03 de janeiro, fomos para o Rio de Janeiro participar da reunião prévia da Articulação Sindical Petroleira para a reunião do Conselho Deliberativo da FUP e seus Sindicatos filiados.

 

Quarta-feira, fomos para mais uma importante reunião do Conselho Deliberativo da Diretoria da FUP e Representantes de seus Sindicatos filiados (CD da FUP), que ficaram reunidos durante todo o dia, para definição dos nossos próximos passos nessa complexa Campanha Reivindicatória em Defesa de Nossos Direitos e contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás.

 

No dia 06, realizamos alguns setoriais na Refinaria Landulpho Alves Mataripe (RLAM), com as turmas 2 (entrando) e 1 (saindo) do turno, e com o pessoal da Manutenção Industrial sobre os seguintes temas:

1. Déficit do Plano Petros 1 e suas repercussões;

2. Campanha Reivindicatória e Rodada de Negociação realizada ontem com a Gestão da Petrobrás, e;

3. Processo de Privatização da RLAM e outros ativos do Sistema Petrobrás na Bahia.

Abordados esses temas, fizemos uma boa reflexão e debate sobre a necessidade de fazermos, nesse ano de 2017, a maior e mais forte greve da Categoria Petroleira contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás, antes que seja tarde demais.

A categoria está acordando para a luta!

 

 

No final do dia, a Comissão de Controle de Custos e Gestão Administrativa, finalmente, finalizou o Planejamento Orçamentário de 2017 do Sindipetro Bahia que será apresentado em assembleia para a Categoria Petroleira, em breve.

Planejando para agir!

 

À noite, das 19:30h às 22h, no auditório da sede do Sindipetro Bahia, fizemos mais uma reunião do Conselho Consultivo de Base que foi eleito pela categoria em assembleias realizadas em todas as unidades do Sistema Petrobrás no estado para ajudar a direção do sindicato na condução da campanha reivindicatória e no tratamento de demandas da Categoria.

Tivemos uma breve análise da conjuntura nacional com a participação do companheiro Nelson Santos, assessor político da FUP e Sindipetro Bahia e um bom debate sobre os nossos próximos passos em nossa campanha reivindicatória e na luta contra a retirada de direitos e contra o Desmonte e Privatização do Sistema Petrobrás.

Todas as propostas feitas pelos Conselheiros de Base serão encaminhadas para aprovação da Diretoria Executiva, que se reunirá na próxima segunda às 14:30h com a participação dos companheiros Emiliano José e Jose Sergio Gabrielli de Azevedo para análise da conjuntura.

#JuntosSomosMaisFortes

Petroleiras e Petroleiros, Luta e Resistência!

O nosso patrimônio continua sendo vendido

 

Iniciamos o ano com uma surpresa desagradável e que pode alterar a vida de muitos funcionários da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia. Existem rumores de que estariam sendo negociados mais de 50% das ações da RLAM para uma empresa francesa, a TOTAL, uma visita dos representantes dessa empresa para o dia 12 e do Diretor de Estratégia da Petrobrás Nelson Silva no dia 13 de janeiro, na UTE-CF, UTE-RA, RLAM e TEMADRE.

 

Todavia, a Petrobrás mais uma vez negligencia e nega informações sobre a venda da RLAM em matéria publicada no dia 05 de janeiro de 2017, no Valor Econômico, do jornalista André Ramalho, que no seu último parágrafo destaca a possiblidade de comercialização das refinarias em um modelo mais atraente para os investidores.

 

“Ouvi isso várias vezes, quando estava no Conselho de Administração da Petrobrás, e divulguei para a categoria. Estão apenas executando o Plano de “Desinvestimentos” (PRIVATIZAÇÃO) que tem projetos diferentes para comercialização das refinarias, de forma a oferecer para os investidores não só os ativos, como também seus mercados consumidores. Quem não se lembra das matérias dos jornalistas da área de energia (petróleo e gás), que citaram fontes seguras da alta administração da empresa, falando sobre os projetos para REPAR + REFAP, REDUC + REGAP e RLAM + RNEST junto com seus sistemas de logística?, desabafa Deyvid Bacelar, Coordenador Geral do Sindipetro Bahia e ex representante dos trabalhadores no CA da Petrobrás.

 

Em apresentação no último Congresso de Óleo e Gás, que aconteceu de 24 a 27 de outubro de 2016, no Rio de Janeiro, conforme citado pela matéria do Valor Econômico, o Diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino, destacou que dentro do plano “estratégico” haveria uma “oportunidade” para novos players no negócio refino no Brasil, que estava “em formatação” mas que seria em breve divulgado. No evento, ficou claro, pelas apresentações dos convidados, que o mercado é seguro e cada vez maior, independente de “crise ” ou não. Que o mercado vai crescer e que há espaço para novas refinarias no país.

 

Porém, na plateia, estava presente um dos gerentes de alto escalão da antiga REFAP S.A (Repsol com 30%) e criticou abertamente o modelo de parceria da época que a Repsol entrou na REFAP, que funcionava somente no elo refino, sem os elos de logística, e sem proteções contra a Petrobrás/Governo. Segundo ele, para um novo player se interessar deveria haver um “participação” deste mesmo player nos elos logísticos do ativo de refino, para ele poder escolher o que fazer, processar, importar, negociar e vender, além de ter a prioridade no escoamento de insumos e produtos, nas tubulações de sua produção insumo, ao invés da Transpetro ter o controle.

 

Ou seja liberdade total, com aval do Governo.

 

Sendo então, Refinaria mais Logística (ativos da Petrobrás e TAG, operados pela Transpetro) no mesmo pacote.

 

Mais do que nunca é hora da categoria se organizar e lutar pelos seus direitos. Se a negociação da RLAM for efetivada, os trabalhadores e trabalhadoras poderão sofrer várias mudanças, inclusive nas remunerações, direitos e postos de trabalho que serão excluídos. Lembrando, que isso é apenas o início da PRIVATIZAÇÃO de Unidades do Refino, podendo se expandir para outras.

 

O que vamos fazer? Ficar de braços cruzados ou lutar pela NOSSA PETROBRÁS?

 

Página 1 de 111